Etnias x Envelhecimento

Etnias x Envelhecimento

Embora os tipos de pele pareçam semelhantes do ponto de vista anatômico, funcional e bioquímico existem variações entre elas que necessariamente devem ser levadas em conta na escolha dos produtos cosméticos, principalmente quando se trata das influências raciais. Existem três grupos raciais: caucasianos, que apresentam a pele clara ou ligeiramente morena, e o nariz estreito; negroides, que apresentam a pele escura, cabelo encaracolado, nariz largo e geralmente achatado; mongoloides, que possuem a pele clara, olhos puxados, cabelo liso, escuro e grosso.

Aparentemente, um dos fatores que mais se diferenciam entre as raças é a pigmentação da pele, embora o número de melanócitos seja igual entre as raças, os melanossomas – grânulos localizados dentro da célula e formados essencialmente de melanina – se diferem em número e tamanho.

Os melanossomas dos indivíduos de pele branca (ou caucasoides) são menores, agrupados entre si em número de três, e quebrados por enzimaas para atingirem o estrato córneo. Nos negros os melanossomas são grandes, distribuídos isoladamente nos queratinócitos e persistem desta forma até o estrato córneo, além disso, a atividade da tirosinase no negro é 10 vezes maior que os caucasianos.

Portanto, a intensidade da cor da pele e, como consequência as diferenças raciais, não ocorrem em função do número de melanócitos existentes, mas em função do tamanho e morfologia, distribuição e grau de melanização dos melanossomas.

Além disso, a pele morena demonstra os sinais de envelhecimento mais tardiamente em comparação com indivíduos de pele mais clara pelo fato da melanina possuir ação protetora da radiação UVA e UVB. Sendo assim, a presença de rugas e flacidez é predominante em pele mais claras, enquanto a hiperpigmentação está associada com a pele mais escura.

Em relação a hidratação da pele, os asiáticos têm maior teor de água e níveis mais altos de lipídeos no estrato córneo em relação aos negros. Um ativo específico par uniformizar o tom da pele negra, a Azeloglicina é um derivado da condensação do ácido azeláico com aminoácido glicina, não é comedogênico e é hipoalergênico (indicado para pele acneica e sensível), possui ação 4 em 1 na acne: seborregulador, clareador, antiinflamatório e controle bacteriano. Age apenas em melanócitos ativos, indicado para peles negras. A Samana desenvolveu a Linha Azeloglicina.